sexta-feira, 20 de novembro de 2009

Consciência Negra

Eu sei, eu sei. Isso aqui é um blog de escalada. Fazemos piada de nossa vida, divulgamos a escalada no Planalto Central e relatamos nossas escaladas. Mas hoje farei diferente mesmo sem a permissão do editor (afinal estou em Cuiabá e ele não pode me bater). Esse post é uma mensagem política, pois nem só de escalada vive o escalador(a)

Hoje (20 de novembro) é o Dia da Consciência Negra. Vivemos num país que nega a existência do racismo e nossa história pouco conta do que viveu e vive a população negra brasileira. Para aqueles que acreditam que não há racismo no Brasil convido a abaixar a janela do carro, olhar a vida ai fora e ver como se constiui nossa sociedade. Essa data deve ser um lembrete do sofrimento e dor causados pela escravidão em nosso país e demonstrar a força de resistência desse povo exemplificada na figura de Zumbi dos Palmares.

Deixo você com a poetisa, atriz, mulher e negra Elisa Lucinda.
Leia ai preguiçoso (a) porque se não ler até o final não entende a mensagem da mulher.

Elisa Lucinda
Mulata Exportação


"Mas que nega linda
E de olho verde ainda
Olho de veneno e açúcar!
Vem nega, vem ser minha desculpa
Vem que aqui dentro ainda te cabe
Vem ser meu álibi, minha bela conduta
Vem, nega exportação, vem meu pão de açúcar!
(Monto casa procê mas ninguém pode saber, entendeu meu dendê?)
Minha tonteira minha história contundida
Minha memória confundida, meu futebol, entendeu meu gelol?
Rebola bem meu bem-querer, sou seu improviso, seu karaoquê;
Vem nega, sem eu ter que fazer nada. Vem sem ter que me mexer
Em mim tu esqueces tarefas, favelas, senzalas, nada mais vai doer.
Sinto cheiro docê, meu maculelê, vem nega, me ama, me colore
Vem ser meu folclore, vem ser minha tese sobre nego malê.
Vem, nega, vem me arrasar, depois te levo pra gente sambar."
Imaginem: Ouvi tudo isso sem calma e sem dor.
Já preso esse ex-feitor, eu disse: "Seu delegado..."
E o delegado piscou.
Falei com o juiz, o juiz se insinuou e decretou pequena pena
com cela especial por ser esse branco intelectual...
Eu disse: "Seu Juiz, não adianta! Opressão, Barbaridade, Genocídio
nada disso se cura trepando com uma escura!"
Ó minha máxima lei, deixai de asneira
Não vai ser um branco mal resolvido
que vai libertar uma negra:

Esse branco ardido está fadado
porque não é com lábia de pseudo-oprimido
que vai aliviar seu passado.
Olha aqui meu senhor:
Eu me lembro da senzala
e tu te lembras da Casa-Grande
e vamos juntos escrever sinceramente outra história
Digo, repito e não minto:
Vamos passar essa verdade a limpo
porque não é dançando samba
que eu te redimo ou te acredito:
Vê se te afasta, não invista, não insista!
Meu nojo!
Meu engodo cultural!
Minha lavagem de lata!

Porque deixar de ser racista, meu amor,
não é comer uma mulata!

(Da série "Brasil, meu espartilho")

Um comentário:

Samurai disse...

Ae galera, passei pra deixar um alo!
Show o blog de voces!
Boa esclada =)